Gatilhos emocionais: o que são e como lidar com eles?

Já lhe aconteceu ter uma atitude, ou sentir-se de uma determinada forma, desproporcional à situação que estava a ser apresentada à sua frente? Provavelmente foi porque algo despertou um dos seus gatinhos emocionais.

Todos nós passamos por circunstâncias na nossa vida que nos marcam. Muitas das vezes pode até acontecer determinada situação desagradável, ou traumática, ter ficado marcada na nossa memória, sem que nós tínhamos apercebido do impacto que esta teve.

Estas situações desencadeiam depois reações e sentimentos exagerados noutros contextos, através da ativação destes gatilhos emocionais, sem que tenhamos consciência disso.

Para entender melhor as origens destes sentimentos, e conseguir desenvolver reações adequadas às situações vividas, é fundamental que aprenda a reconhecer os seus gatilhos emocionais.

O que são gatilhos emocionais?

Os gatilhos emocionais são memórias, sentimentos, reações e comportamentos que causam fortes reações emocionais. Ou seja, é quando, em qualquer momento, uma situação desperta sentimentos de raiva, tristeza ou medo, sem que aparentemente exista uma razão para tal.

Cada um de nós tem gatilhos emocionais diferentes, que surgem de acordo com as nossas experiências pregressas e crenças pessoais. É por isso que a identificação e o tratamento destes gatilhos é tão complexo.

Para os outros, a forma como nos sentimos perante determinada situação mesmo parecer ridícula, ou demasiado exagerada. Mas, para a pessoa a experienciar o efeito daquele gatilho é extremamente desconfortável e angustiante.

Por exemplo, se o timbre da voz de alguém nos fizer lembrar o de uma pessoa que nos fez mal na infância, todas as lembranças dessas vivências traumáticas veem ao de cima, como se estivessemos a reviver a situação. Mas, na realidade, esta pessoa não tem culpa da emoção que despertou em nós, e nada nesta nova situação representa um real perigo.

Quando temos consciência de quais são os nossos gatinhos emocionais, conseguimos evitá-los e não sofrer os efeitos destas fortes descargas emocionais.

Além de situações traumáticas, estes gatilhos podem também ser causados por:

  • Opiniões e valores contrários: quando nos identificamos fortemente com um tipo de crença, podemos encontrar dificuldade para tolerar crenças opostas. Essa é uma das razões pelo qual é desconfortável conversar sobre religião para algumas pessoas,
  • Preservação do ego: quando a nossa identidade é questionada ou confrontada, a tendência é tentar preservar a noção de “eu” que cultivamos. Assim, rapidamente podemos nos envolver em discussões, brigas e conflitos para tentar conservar a nossa identidade.

Tipos de gatilhos emocionais

Cada um de nós pode ser apenas um tipo de gatinho, ou uma combinação de vários. São exemplos deles:

  • Quando nos sentimos rejeitados;
  • Quando nos sentimos ignorados;
  • Quando nos sentimos abandonados, ou prececionamos algo como uma possível ameaça a que isso aconteça;
  • Quando terminam uma relação connosco;
  • Quando nos sentimos criticados, ou julgados;
  • Quando nos sentimos censurados, especialmente em público;
  • Quando nos sentimos ridicularizados por alguém;
  • Quando nos sentimos controlados;
  • Quando nos sentimos que alguém não tem tempos para nós;
  • Quando sentimos que alguém é demasiado carente connosco;
  • Quando nos culpam de algo, principalmente por algo que não fizemos;
  • Entre outros.

Além do desconforto emocional, eles podem também gerar incómodo físico através do aumento dos batimentos cardíacos, náuseas, tonturas, tremores no corpo, suores ou até mesmo vómitos.

gatilhos emocionais

Qual o impacto dos gatilhos emocionais na sua saúde mental?

Os gatilhos emocionais são como barreiras que nos impedem de esquecer determinados acontecimentos, ou de interpretar corretamente terminadas crenças ou opiniões.

Quando vivemos com estes gatinhos, não conseguimos ultrapassar certas situações traumáticas, elas voltam para nos assombrar e perturbar as nossas novas vivências.

Além disso, levam-nos a termos comportamentos atípicos, como começar uma discussão chorar compulsivamente, ficar enraivecido, ou tomar decisões precipitadas face a circunstâncias que não merecem tal reação.

Além do desconforto que lhe podem causar, também acabam por interferir com a sua vida pessoal e profissional, levando em caso extremo ao isolamento, depressão, sindrome de panico, stress pós-traumático ou ansiedade.

 

gatilhos emocionaisComo identificar os seus gatilhos emocionais?

Todos nós temos gatilhos emocionais, mas alguns de nós escolhem aprender a reconhecê-los e encontrar uma forma saudável de viver com eles.

O autoconhecimento é uma ferramenta indispensável para que possamos identificar os nossos gatilhos, e conseguirmos gerir as nossas emoções de forma adequada.

Imagine as seguintes situações, e tente identificar como é que se iria sentir em cada uma delas:

  1. Se alguém o rejeitasse constantemente, como é que se sentiria?
  2. Caso esteja na companhia de alguém e essa pessoa ameaçasse o deixar sozinho, como é que reagiria?
  3. Se estivesse em alguma situação muito difícil na sua vida e ninguém ao seu redor oferece algum apoio, ia se importar com isso?
  4. Se estivesse sempre a ser ignorado, como é que reagiria?
  5. Sempre que convida uma pessoa para fazer alguma coisa, essa pessoa não estivesse disponível para si, como é que se sentiria?
  6. Numa situação em que sente um ar de desaprovação vindo das outras pessoas, se sentiria desconfortável?
  7. Se em um determinado acontecimento – que não foi sua culpa – alguém estivesse te culpando pelo resultado ou até mesmo fazendo você passar vergonha, como você reagiria?
  8. Caso tenha marcado algo com alguém há muito tempo, estivesse extremamente animado, e ao chegar, a pessoa não aparentasse estar feliz com sua presença, como é que se ia sentir?
  9. Se alguém estivesse a aproximar-se de si de uma forma muito incisiva e sexual, como reagiria?
  10. Ao sentir que alguém está a tentar controlá-lo, qual seria a sua reação?
  11. Se estivesse a sufocá-lo emocionalmente, como reagiria?

As suas respostas podem ser um bom indicador de alguns dos seus gatilhos emocionais.

Tente também manter-se alerta no seu dia a dia a quais são as situações que lhe geram um desconforto desproporcional às circunstâncias.

Como gerir os seus gatilhos emocionais?

Identifique o aparecimento das sensações corporais

Começou a sentir uma emoção demasiado forte associada algumas das sensações corporais de falamos em cima? Entenda que estes podem ser os primeiros sinais da avalanche emocional que se a vizinha, e tome uma atitude para controlar a situação.

Faça uma pausa

Se estiver sobrecarregado de emoções pode ser difícil fazer boas escolhas. Sempre que possível afaste-se da situação e espere até aos batimentos cardíacos e respiração voltarem ao normal. Depois, tente identificar o que despertou aquela emoção.

Procure a origem do gatilho

Entender qual a experiência negativa que está por detrás do gatilho ajuda a conseguir trabalhar sobre a origem do problema. E claro, resolvê-lo em consulta.

CONSULTA PSICOLOGIA OVAR GAIA
[contact-form-7 404 "Not Found"]