A sexologia, uma área que evoluiu muito nos últimos 150 anos, refere-se ao estudo científico e prático da sexualidade. Academicamente, a sexologia abrange as ciências físicas, biológicas, psicológicas, comportamentais e sociais. Normalmente inclui o estudo de atitudes, interesses, comportamentos, desenvolvimento e problemas sexuais humanos. Dentro da sexologia estudam-se e praticam-se tópicos de interesse. Inclui-se nisso o desenvolvimento psicossexual, identidade sexual e de género, saúde sexual, resposta sexual. Além disso, problemas sexuais, representados pelas disfunções sexuais e pelas parafilias.

Sexologia é o estudo da psicologia humana e suas manifestações sexuais. A sexologia estuda todas as facetas da sexualidade. Desde o desenvolvimento sexual, até mecanismos de situações eróticas, comportamento sexual e apego emocional. Incluem-se aspectos fisiológicos, psicológicos, médicos, sociais e culturais. A sexologia também abrange assuntos específicos como abortos, controle de natalidade, abuso sexual, novas técnicas de reprodução ou saúde sexual.

O que é um sexólogo?

Um sexólogo trabalha em encontrar uma solução para uma dificuldade sexual responsável por um distúrbio ou sofrimento. O objectivo da terapia sexual é fomentar o desenvolvimento de uma sexualidade e relacionamento mais satisfatórios. Assim, ajuda os clientes a entender melhor a natureza dos seus problemas e a encontrar ferramentas para garantir o seu bem-estar.

Um sexólogo clínico concentra-se no tratamento de disfunções sexuais, distúrbios e variações. Isso inclui principalmente 6 problemas sexuais comuns, como:

Pré-orgasmo ou dificuldade em atingir o orgasmo

Sexo doloroso ou inibido, incluindo vaginismo

Baixo desejo sexual

Disfunção eréctil

Ejaculação precoce

Ejaculação atrasada ou inibida.

Por vezes, as causas desses problemas são apenas de origem psicológica. Outras vezes, há causas orgânicas, que por sua vez podem originar problemas psicológicos. Recomenda-se por isso consulta médica para exclusão, ou não, de causas orgânicas.

Os órgãos genitais e os órgãos dos sentidos são fundamentais, necessitam estar minimamente funcionais e de aprendizagem e treino. Entretanto, os nossos pensamentos, crenças e emoções influenciam o nosso bem-estar, inclusive o bem-estar sexual. Por isso as sessões de terapia sexual e tratamento decorrem através de conversas sobre as mais variadas questões relacionadas com a queixa, a sua história e o impacto na vida da pessoa e da relação. Estas questões permitem avaliar e simultaneamente intervir, esclarecendo, desafiando e sugerindo tarefas que serão feitas posteriormente num espaço e tempo preferenciais.

Um sexólogo clínico usará métodos de aconselhamento psicológico, como técnicas cognitivo- comportamentais, para identificar mitos e crenças disfuncionais em torno da sexualidade. A educação sexual e aconselhamento de casais para capacitar os clientes a experimentarem a sexualidade de uma maneira diferente são exemplos disso.

A sexologia pode usar ferramentas de uma variedade de campos académicos, incluindo biologia, psicologia, educação, sociologia, antropologia, criminologia, medicina, epidemiologia e neurologia.

Os sexólogos estudam e trabalham dentro de áreas especializadas no campo, incluindo desenvolvimento sexual ao longo da vida (sexualidade infantil, adolescente e envelhecida), relações sexuais, comportamento e actividade sexual, identidade e orientação sexual e também com grupos (culturas, pessoas com deficiência, adolescentes). O estudo da função sexual também faz parte do amplo termo sexológico, e pode incluir disfunções sexuais como anorgasmia, disfunção eréctil, vaginismo e dor sexual, entre outras.

(Por Dra. Joana Moreno)